27.12.13

o problema de programas como "the voice brazil" (minha opinião)

estou em vão tentando me segurar pra não falar do "The Voice Brazil", até pq não assisti a nenhum dos programas… mas aqui vai, rapidinho…

[antes que os do pró e do contra se levantem, nem sei quem é o vencedor e nem sei quem foram os finalistas. o assunto da minha reflexão não é este.]

o #AmericanIdol e o #TheXFactor são dois dos programas de maior audiência da atualidade do país em que mais se consome (legalmente) música no mundo (EUA). mesmo assim, de todas as edições que já aconteceram, se não me falha a memória, apenas a Carrie Underwood tem uma carreira estável. sim, Kelly Clarkson tem um disco cheio de sucessos, mas seu segundo álbum foi um fracasso; conseguiu emplacar 1 hit no 3o álbum, mas o futuro dela ainda permanece incerto. One direction –que, diga-se de passagem, sequer venceu a competição– é apenas mais uma sacada do simon (idealizador e dono dos dois programas e franquias) que se ligou que desde a década de 90 sempre houve  pelo menos uma boy band para arrasar com os corações das adolescentes e que, atualmente, as boy bands que nem estavam mais juntos, estavam fazendo turnês de sucesso, ou seja: uma óbvia lacuna de mercado que ele aproveitou. ;)

onde eu quero chegar? até entendo a graça de assistir a programas como estes; são divertidos; entretêm. mas engana-se quem acha que, vencendo um deles, ganhará de presente uma carreira artística lôngeva. há exceções? inclusive no brasil, há. mas se vc é músico e vive disso, vc já é uma exceção. vc participar de um programa de voto popular em q vc instantaneamente fica famoso (além disso dificilmente ser saudável) é vc ser a exceção da exceção. vc ganhar este programa, vc é a exceção, da exceção, da exceção. e vc, como consequência disso, ter uma longa carreira de sucesso, vc é a exceção, da exceção, da exceção, da exceção. (talvez ganhar na loteria seja mais fácil!)

agora se vc –da sua casa, ou pq alguém lhe falou isso– acha provável q vc faça parte desta quádrupla exceção, rs… talvez vc esteja com uma visão distorcida de si mesmo (ou se ache mais do que deveria). e se vc é crente e tem fé em D-S, q Ele pode todas as coisas, é verdade: Ele pode, mesmo! D-S pode até usar vc onde vc está. e se Ele não usa vc onde vc está, dificilmente usará vc em qq outro lugar. ;)

mas sabe o que eu acho pior neste tipo de programa? na música (cristã ou não cristã) vc NUNCA está competindo com os outros. e este tipo de programa faz parecer que sim. ou ensina as pessoas que estamos competindo. música se faz JUNTO com outras pessoas. não umas CONTRA as outras. não é apenas na música cristã que o objetivo é fazer refletir, tocar a vida de pessoas, levar conforto e alegria. e se o objetivo é este, como isto poderia acontecer num ambiente de competição?! já imaginou se os jurados (com carreiras, a princípio, já estabelecidas) estivessem competindo entre eles? é difícil até de imaginar! simplesmente porque NÃO FAZ SENTIDO!!!

na música –como em tudo!– não estamos competindo entre nós, uns com os outros. competimos, isto, sim, com nós mesmos. eu quero ser melhor amanhã do que sou hoje e espero que hoje já esteja melhor do que eu fui ontem. quero, sim, fazer um disco mais bonito, relevante, bem feito, sensível e  transformador que o anterior, mas não estou olhando para os lados; estou olhando para cima (D-S) e para dentro de mim, para a transformação que o Espírito Santo quer operar e, espero, esteja operando.

12 comentários:

Mosatos Moz D disse...

Leonardo Gonçalvez, você falou tudo que o que eu queria que as pessoas entendesse com relação a musica e a esse programas.Sou ministro de louvor e alguns amigos e família já me disseram pra escrever no the voice e eu num me sinto bem num lugar desse, até quando é gospel.Eu até preencho a ficha, mais num vou até o final porque eu acho estranho.E sei também que o sonho de carreira com disco de ouro , primeiro lugar nas paradas da Billboards num acontece assim da noite pro dia. Até cantores renomados como Mariah Carey que está lançando single atras de single pra ver se consegue emplacar e não conseguiu até agora.Grava um cd exige trabalho e dedicação e amor a arte. E não um produto do sistema midiatismo que vivemos.

krisipa disse...

Leo,gostei muito da sua opinião, de verdade. Acredito muito na musica que une as pessoas, que leva as pessoas a abrirem seus corações pra Jesus, e que não serve para separação, discórdia e exaltação própria. que Deus abençoe você. Um abraço!

Thiago Lourenço disse...

Paz Léo! Muito bom este post. Ótima reflexão. Abs.

Obs.: E o DVD? Rs. Estou ansioso pra comprar o meu hehe...

renan suarez disse...

concordo! algumas vezes já fui questionado do por quê eu não tento entrar em um programa desse tipo e na verdade eu nem reflito muito no motivo, simplesmente existe algo dentro de mim que diz que minha musica vale muito mais do que ser o vencedor de um concurso! minha musica é baseada nas vitórias diárias de alguém que não precisa competir com ninguém pra saber que tem valor! eu não desejo exposição (apesar de achar importante um elogio de vez em quando), eu desejo que minha musica seja uma continuação do meu testemunho, de alguém que recebeu de DEUS a capacidade de superar as barreiras da vida e que hoje vive essa vida pra DEUS e que se sacrifica por DEUS.
Se um dia eu tiver uma "carreira" que seja fundamentada em desafios anonimos, vitórias secretas, sonhos que aomente quem me conhece bem pode saber, e que daí eu tire todo o conhecimento e experiência necessários para ser um bom servo.
Mudando de assunto, vou citar alguns cantores que participaram de programas de calouros e que têm uma carreira consolidada (creio que nenhum tenha vencido rs):
Terrell Carter - XFactor (um dos melhores em melismas que eu já vi).
Jeniffer Hudson - American Idol
Tarralyn Ramsey - The Voice (ela é incrível! mas eu já ouvia suas musicas muuuito antes do the voice)
Anthony Evans - The Voice
Jordin Sparks - American Idol

entre outros rsrs
esses são só alguns que eu conheço, dentro do estilo musical que me agrada. alguns deles já tinham carreiras interessantes antes do programa, alguns eram desconhecidos.
a verdade é que a probabilidade de não dar certo é enorme.
Musica é arte e não esporte.

Rafael Porto disse...

Uma reflexão interessante sobre este tipo de programa, fazendo uma análise estritamente técnica: um artista nunca pode preceder sua arte.

Pegando o seu exemplo mesmo, Léo. Muita gente nem sabia quem você era, mas conhecia sua interpretação pra "Getsêmani". Quando souberam que você era o cantor, associaram a arte ao artista.

O The Voice e todos estes programas invertem esta lógica. Primeiro vamos cunhar a figura do artista, para depois legitimá-lo com algum modelo de arte-enlatada que o represente e seja comercialmente viável.

O correto é mesmo imprimir sua própria marca, encontrar um caminho autoral, desenvolver uma verve e esperar.

Se a música vai longe e conquista as pessoas, uma hora elas voltarão para buscar mais sobre aquela canção, e enfim chegarão ao artista.

Em alguns casos, chegarão também ao compositor -- assim o fiz quando conheci o Stênio Marcius. A propósito, obrigado por tê-lo gravado tão brilhantemente em Poemas e Canções.

Que Deus continue te usando para expandir a compreensão que as pessoas têm do Reino e do que é uma vida ministerial na música.

Abraço!

Thiago Lourenço disse...

Blz Léo! Muito bom o post...ótima reflexão...Abs

E o DVD? Eu quero o meu rs...

Anônimo disse...

Edson Nova - @edsonnova

Incrível! Eu sempre tive essa opinião. É impressionante o fato das pessoas não perceberem que gostam de construir ídolos só pelo prazer de vê-los ruir em seguida.

Julio Cesar Correa disse...

Concordo plenamente.
E é bom saber que ainda tem gente pra escrever textos assim.

António Jesus Batalha disse...

Cheguei ao seu blog e fiquei entusiasmado, pois foi feito com muita graça, e com muito entusiasmo.
Gostei do que vi e li, e achei um blog fantástico, onde se aprende muito.
Sou António Batalha, do blog Peregrino E Servo, se me der a honra de o visitar ficarei grato.
PS. Se desejar faça parte dos meus amigos virtuais,decerto que irei retribuir,
seguindo também o seu blog.
Desejo-lhe muita paz e uma vida cheia de grandes vitórias.

Anônimo disse...

Léo, vc já viu este vídeo? Estou enviando-lhe o link na realidade, contando com a possibilidade de que vc já o tenha visto. mas caso ainda não, conheça-o, assista-o e se achar por bem se utilizar das informações dele para algum comentário em tuas pregações, sermões, enfim, fique a vontade. na realidade, gostaria de tua opinião, já que vc viveu mto tempo fora e conhece a realidade de outras culturas e de possíveis formas de expressão-opinião, qto a o conteúdo que é exposto no mesmo, num post (caso vc ache pertinente). só gostaria que vc não aceitasse este comentário, para que fique registrado no teu blog (mesmo eu postando de forma anônima). o intuito de te enviar é só para que vc tome conhecimento mesmo [se é que já não o tem]. Shabbat shalom, abçs.

http://www.youtube.com/watch?v=jM-VNNv2JVI

Anônimo disse...

texto muito bom. apenas uma correção quanto ao segundo disco de Kelly Clarkson, Breakaway: ele não foi um fracasso de vendas. Tbm obteve 5 hits de sucesso.


- Guilherme Mendes

lg disse...

em nenhum momento eu falei que o primeiro cd da kelly clarkson foi um fracasse de vendas. acho q vc n leu direito. falei q APENAS o primeiro foi um grande sucesso. e que no 3o ela teve um grande hit, também. mas com o 2o cd dela com pouca expressão e tendo ela lançado apenas 3 por enquanto ainda não se pode falar de uma carreira lôngeva.